BR221
Parque Estadual do Turvo


Year of compilation: 2005

Site description
Essa área protegida no curso superior do rio Uruguai está localizada junto à divisa do Rio Grande do Sul com a Argentina e o estado vizinho de Santa Catarina. O parque é contíguo com as extensas florestas do centro-leste da província argentina de Misiones, com as quais forma um único bloco florestal de mais de 300.000 ha. O terreno é acidentado, formado basicamente por uma seqüência de longos espigões que se projetam em direção ao rio Uruguai e intercalam-se com vales estreitos e profundos. A floresta estacional da bacia do rio Paraná, também denominada floresta subtropical pluvial ou Mata Atlântica interior, recobre praticamente toda a área do parque, sendo regionalmente caracterizada pelo predomínio de espécies decíduas no dossel. Árvores típicas das florestas do alto Uruguai incluem Apuleia leiocarpa (grápia), Parapiptadenia rigida (angico-vermelho), Peltophorum dubium (canafístula), Cabralea canjerana (canjerana), Cordia trichotoma (louro), Nectandra megapotamica (canela-louro) e Jacaratia spinosa (jacaratiá), entre outras. Densos taquarais dominam o sub-bosque, dificultando o deslocamento pelo interior da mata. O clima é subtropical, com temperatura média anual entre 18 e 20oC e precipitação pluviométrica superior a 1.800 mm ao ano.

Key biodiversity
A avifauna do parque se mantém relativamente íntegra graças à continuidade das florestas no lado argentino do rio Uruguai. Ao todo, 284 espécies já foram registradas na área, das quais mais de um quinto são endêmicas da Mata Atlântica. Atualmente, o parque é a única área no Rio Grande do Sul onde ainda persiste Dryocopus galeatus (pica-pau-de-caracanela), restrito à porção meridional da Mata Atlântica, e uma das poucas onde Pipile jacutinga (jacutinga) ainda pode ser encontrada. Polioptila lactea (balançarabo- leitoso), presente em apenas outras duas IBAs na Mata Atlântica brasileira, ocorre em números substanciais. Há relatos sobre a ocorrência de Harpia harpyja (gavião-real) e Procnias nudicollis (araponga) no parque.

Pressure/threats to key biodiversity
O risco de insularização que decorre da intensa exploração madeireira e da crescente ocupação humana no território argentino adjacente é a principal ameaça a longo prazo. No lado brasileiro do rio Uruguai, o parque está inteiramente cercado por áreas agrícolas e as oportunidades de reconexão com outros fragmentos florestais são limitadas. O antigo projeto de construção da usina hidrelétrica binacional de Roncador permanece uma ameaça latente à área, especialmente em face do recente reavivamento dos planos de aproveitamento hidrelétrico integral do curso médio e superior do rio Uruguai, ao longo da divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A caça ilegal ainda é comum no parque, que sofre de limitação crônica no número de guarda-parques.


Recommended citation
BirdLife International (2022) Important Bird Areas factsheet: Parque Estadual do Turvo. Downloaded from http://www.birdlife.org on 18/08/2022.