BR032
Baixada Maranhense


Year of compilation: 2008

Site description
A IBA inclui a Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense, a sul/sudoeste da baía de São Marcos, e estendese a leste até o rio Munim, englobando assim afluentes desse rio e também do Itapecuru. O Mearim e o Pindaré, principais rios da região, transbordam anualmente e suas águas inundam todas as planícies baixas adjacentes. O nível máximo das enchentes ocorre em abril/maio e o nível mínimo em novembro/dezembro. Com relação à vegetação, há na área campos abertos e alagadiços nas proximidades dos lagos, assim como densas florestas de galeria. Perto dos rios existem formações pioneiras sob influência fluvial, lacustre ou fluviomarinha. Também são encontrados trechos com formações secundárias e pastagens. Em razão de sua importância para a manutenção da biodiversidade de áreas úmidas, a Baixada Maranhense é considerada um sítio RAMSAR.

Key biodiversity
A diversidade de hábitats possibilita a ocorrência de uma avifauna composta por espécies associadas a ambientes costeiros, marinhos e lacustres. Toda a área apresenta importantes sítios de alimentação e repouso para aves migratórias Mais de 20 espécies de maçaricos e batuíras foram observadas na região, concentrandose em maior número nas proximidades de Viana, inclusive na bacia do rio Pindaré, e na bacia do rio Mearim Uma das maiores concentrações de Calidris canutus (maçarico-de-papo-vermelho) do Brasil foi encontrada no extremo norte da Ilha dos Caranguejos, em um local conhecido como "Ponta da Ilha". Na área também ocorre uma grande congregação de Calidris pusilla, talvez a maior em território nacional. A Baixada Maranhense é um dos poucos lugares do Brasil onde há numerosas concentrações de Porphyrio martinica (frango-d’água-azul), um ralídeo de hábitos migratórios. Outros grupos de aves bem representados na região são os Ciconiiformes e os Anseriformes. Na região há registros históricos do ameaçado Herpsilochmus pectoralis (chorozinho-de-papo-preto), endêmico da Caatinga, nos municípios de Axixá e Bacabal.

Pressure/threats to key biodiversity
A exploração agropecuária na região é antiga. Nas áreas alagadiças há muitas plantações de arroz, assim como criações de búfalos. Esses animais transitam pelas áreas de campo e alteram o ambiente através do pisoteio, formando valas de drenagem que modificam a vegetação. A caça de aves aquáticas na região também é antiga. Um estudo realizado nos anos sessenta estimou em 150 a 200 mil o número de aves ("jaçanãs") abatidas anualmente. A espécie mais caçada é Porphyrio martinica, seguindose P. flavirostris e Gallinula chloropus, todas consideradas iguarias culinárias na região.


Recommended citation
BirdLife International (2022) Important Bird Areas factsheet: Baixada Maranhense. Downloaded from http://www.birdlife.org on 20/01/2022.