BR061
Alto Juruá


Country/territory: Brazil

IBA Criteria met: A1, A2, A3 (2008)
For more information about IBA criteria please click here

Area: 539,864 ha

Protection status:

SAVE Brasil
Most recent IBA monitoring assessment
Year of assessment Threat score (pressure) Condition score (state) Action score (response)
2008 low not assessed not assessed
For more information about IBA monitoring please click here


Site description
Os limites da Reserva Extrativista do Alto Juruá definem essa IBA, situada no oeste do Acre. Criada em janeiro de 1990, a R. E. do Alto Juruá foi a primeira área protegida de sua categoria a receber o status de unidade de conservação. A área assentase sobre a formação Solimões da bacia sedimentar do Acre, caracterizada pela presença de rochas sedimentares de origem fluviolacustre, e está inserida na bacia hidrográfica do rio Juruá, formada por rios muito sinuosos. Os terrenos mais elevados não ultrapassam os 500 m de altitude e as áreas mais baixas apresentam porções inundadas e barrancos. Tal heterogeneidade proporciona ambientes variados e alta diversidade biológica. A diversidade vegetal da bacia do Alto Juruá está entre as mais altas da região alto-amazônica, reunindo, por exemplo, cerca de 70% das espécies de palmeiras ocorrentes na Amazônia Ocidental. Aglomerados de bambus (ou tabocais), principalmente do gênero Guadua, espalhamse em grandes extensões por toda a paisagem. A mortandade dessas plantas, que ocorre logo após a frutificação, chega a abrir clareiras de milhares de hectares na mata, favorecendo o aparecimento de formações vegetais pioneiras.

Key biodiversity
O alto rio Juruá permaneceu sem inventários ornitológicos até o final da década de 19905, quando expedições à região revelaram a ocorrência de sete espécies que ainda não haviam sido observadas no Brasil: Lagothrix poeppigii (inhambu-de-coroa-preta), Eubucco tucinkae (capitão-de-colar-amarelo), Percnostola lophotes (formigueiro-do-bambu), Formicarius rufifrons (pinto-do-mato-de-fronte-ruiva), Conioptilon mcilhennyi (anambé-de-cara-preta), Pipra chloromeros (dançador-de-cauda-graduada) e Vireo flavoviridis (juruviara-verde-amarelada) Micrastur buckleyi (falcão-de-buckley), ave de rapina rara e pouco conhecida, foi observada em alguns pontos desse trecho do rio Juruá. Expedições posteriores à região levaram à elaboração de uma lista com 543 espécies, fazendo da reserva extrativista uma das áreas mais ricas do Brasil em diversidade de aves, muito próxima da encontrada nas duas áreas que detêm o récorde mundial em número de espécies de aves: o Parque Nacional de Manu e a Reserva de Tambopata, ambas no Peru. Considerando que as áreas peruanas já são amostradas há mais de 20 anos e que a lista da avifauna do alto Juruá certamente será incrementada com a realização de novos estudos, podese esperar uma diversidade igual ou até maior na área brasileira. Assim como a IBA interestadual Tabocais (AC/AM01), o alto Juruá abriga oito elementos da EBA068 (Baixadas do Sudeste Peruano), sendo também uma das únicas localidades no Brasil onde se pode encontrar Formicarius rufifrons (pinto-da-mata-de-fronte-ruiva) e Grallaria eludens (tovacuçu-xodó), ambas quase ameaçadas de extinção. A IBA resguarda um dos maiores conjuntos de endemismos da região zoogeográfica Amazônia Sul, com 34 espécies.


Recommended citation
BirdLife International (2019) Important Bird Areas factsheet: Alto Juruá. Downloaded from http://www.birdlife.org on 24/05/2019.