BR131
Vale do Peruaçu


Year of compilation: 2005

Site description
Essa extensa área de matas secas ao longo do baixo curso do rio Peruaçu, no norte de Minas Gerais, abrange o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu e algumas localidades adjacentes onde há registros de espécies ameaçadas, como a Fazenda Nossa Senhora Aparecida, antes parte da Fazenda Olhos D’Água. O rio Peruaçu, afluente da margem esquerda do rio São Francisco, nasce no interior do parque nacional, onde percorre áreas alagáveis e um cânion cujas paredes se elevam a mais de 100 m de altura. O hábitat principal é a floresta tropical decídua (matas secas da depressão do rio São Francisco), que atinge até 25 m de altura e está associada a solos calcáreos férteis. Árvores características dessa formação incluem Astronium urundeuva, Piptadenia macrocarpa e Cedrela fissilis. Existem ainda cerrados, matas ciliares perenifólias e manchas esparsas da formação de caatinga arbórea conhecida como "Mata do Jaíba".

Key biodiversity
A área é de importância crítica para a conservação das florestas decíduas da região do médio rio São Francisco e atualmente parece ser o principal reduto da raça local endêmica do arapaçu-do-nordeste (Xiphocolaptes falcirostris franciscanus). A avifauna do Vale do Peruaçu é algo distinta da encontrada em Mocambinho, no lado oposto do rio São Francisco, sobretudo pela presença de endemismos associados às matas secas do domínio do Cerrado, como o já mencionado X. f. franciscanus (restrito à margem esquerda do São Francisco), Hylocryptus rectirostris (fura-barreira) e Basileuterus leucophrys (pula-pula-de-sobrancelha). O P. N. Cavernas do Peruaçu é uma das principais unidades de conservação de proteção integral no âmbito da EBA074 (Florestas Decíduas de Minas Gerais e Goiás), servindo de refúgio para as duas espécies que definem essa área de endemismo (Knipolegus franciscanus, maria-preta-do-nordeste, e Phylloscartes roquettei, cara-dourada). A ocorrência de Nyctiprogne vielliardi (bacurau- do-são-francisco) é igualmente provável, visto que o P. N. Cavernas do Peruaçu estende-se até a margem do rio São Francisco no norte do município de Januária, onde a espécie não parece ter sido procurada até agora, apesar de ocorrer na margem oposta do rio, em Mocambinho. Similarmente, o quase ameaçado Gyalophylax hellmayri (joão-chique-chique) foi recentemente observado entre Itacarambi e Manga, possivelmente ocorrendo no parque nacional e em seu entorno imediato. Porém, algumas outras espécies ameaçadas ou quase ameaçadas mencionadas para a região possuem ocorrência improvável em termos distribucionais e seus registros requerem confirmação. É o caso de Amazona vinacea (papagaio-de-peito-roxo) e A. xanthops (papagaio-galego), e também Penelope ochrogaster (jacu-de-barriga-castanha) e Ramphodon naevius (beija-florrajado).

Pressure/threats to key biodiversity
Extensas áreas da região já foram desmatadas para a criação de gado. Mesmo no interior do P. N. Cavernas do Peruaçu os remanescentes de floresta decídua estão agora bastante isolados, sendo necessário interligá-los por corredores. A destruição adicional da vegetação nativa para o aumento de áreas agrícolas, produção de carvão, extração de lenha e mineração de calcário representa a principal ameaça às aves endêmicas e ameaçadas da região.


Recommended citation
BirdLife International (2019) Important Bird Areas factsheet: Vale do Peruaçu. Downloaded from http://www.birdlife.org on 11/11/2019.